Não, você não leu errado, esse post é realmente sobre casamento, e não estou falando de casar frameworks, metodologias e coisas do tipo, estou falando daquele casamento com noiva, noivo, igreja, aquele que a maioria dos homens, como eu, morrem de medo.

A motivação para esse post surgiu após eu ter twitado a seguinte frase “Ano passado ganhei um Grill da patroa, esse ano foi uma cafeteira! Será que ela está querendo mobiliar meu AP? #Medo #Casório :-)”. Depois disso eu comecei a receber comentários no facebook de amigas e “amigos” a apoiando, dizendo que já passou da hora, dando dicas presentes futuros, etc. Imaginem a minha situação? Eu precisava provar não só para a patroa como a todas as amigas e “amigos” que casamento é coisa do passado e que estamos descobrindo melhores maneiras de construir um relacionamento!

Mulher? Tem algo mais complexo que mulher? E o casamento então? O número de incertezas é gigantesco, nós nunca sabemos o que as mulheres querem, logo o escopo é totalmente desconhecido, temos que gerenciar expectativas o tempo todo, afinal elas estão sempre esperando mais do que podemos oferecer, isso sem falar na transparência e adaptação constantes que é necessário para termos uma relação saudável.

Meu amigo, eu só conheço uma coisa capaz de lidar com um problema desse tipo e definitivamente não é o casamento.

Casamento é igual Waterfall, funcionou no passado quando as coisas eram mais simples. Tínhamos um padre (Gerente de Projetos), sem nenhum envolvimento com os noivos (comprometido com o time), falava meia dúzia de palavras para colocar medo no time (até que a morte os separem) e ia embora achando que o projeto ia dar certo. Se compararmos o Chaos Report com o índice de divórcios no mundo, os números devem ser bem parecidos.

Tá na cara que aplicar Casamento na relação não funciona, temos que ir para uma abordagem ágil, sem burocracia, com autogerenciamento, sem interferências externas e para isso nós precisamos buscar os valores e princípios da agilidade. Vamos recorrer à bíblia dos agilistas, vamos olhar o Manifesto Ágil.

O Manifesto Ágil aplicado ao casamento

Individuals and interactions over processes and tools

Esse valor deixa muito claro que pessoas e a interação entre elas (sexo) é muito mais importante que processos (metodologias de casamento como civil / religioso) e ferramentas (vestidos de noiva, decoração, festa, etc).

Alguém duvida?

Working software over comprehensive documentation

Esse tá na cara: Assim que o seu software (é melhor ele seja um hardware) parar de funcionar, você vai levar um pé na bunda e nenhuma documentação vai te salvar. Então amigão, pode esquecer toda aquela documentação extensa como certidão de casamento, cartinhas de amor, depoimentos no Orkut e outros tipos de documentações inúteis. O que realmente importa é o soft(hard)ware funcionando o tempo todo. E lembre-se de não deixar o sistema cair. Se algum bug for detectado, vá à farmácia mais próxima, peça um Service Pack Azul e coloque o sistema no ar novamente.

Se alguma mulher falar que não é bem assim, está mentindo!

Customer collaboration over contract negotiation

Eu sei, eu sei, colaborar com mulher é complicado: “Amor, vamos visitar o meu pai”, “Amor, vamos ver o show da Rita Lee”, “Ai, não acredito que você vai me deixar sozinha pra ir jogar futebol com os seus amigos”. Enfim, é muuuito chato paparicar mulher, mas como o manifesto é a nossa bíblia, temos que entender que é melhor colaborar algumas vezes do que assinar aquele contrato de escopo fechado chamado Certidão de Casamento, aonde o escopo vai te transformar numa múmia e que contém cláusulas de quebra que normalmente te causam um baita prejuízo.

Acho que peguei pesado aqui, mas que tem um fundo de verdade, tem!

Responding to change over following a plan

O que vocês preferem? Ter uma vida mais dinâmica ou seguir um plano? Muitos podem falar que seguir um plano dá mais segurança, porém o problema começa a aparecer quando esse plano começa a te levar pra longe dos seus objetivos e muitas vezes você está tão cego seguindo o plano que não percebe que está ficando cada vez mais longe do que realmente busca.

Há ainda os que percebem que o plano está atrapalhando, mas se conformam em continuar com ele, pois a mudança geraria muita dor de cabeça, a burocracia é gigante e por aí vai.

Ahhh, apenas para a sua informação: agora eu estou falando de projetos de software tradicionais e não de casamento, ok? Realidades parecidas, não?

Bom, não posso falar do casamento, mas posso dizer que praticamente todas as pessoas que conheço que escolheram ter uma vida mais dinâmica do que seguir um plano cegamente, estão mais felizes que antes. E você, o que prefere?

E agora? Você ainda acha que casamento é uma boa para o relacionamento? Eu provei acima baseado em teoria, princípios, valores e relatos que casamento não funciona no mundo atual. Que tal considerar implantar agilidade no seu relacionamento? Se você não concorda comigo, apresente-me cases que mostram um casamento que não estourou o orçamento, atendeu todos os requisitos dos stakeholders e que teve zero de turnover :-)

Espero que vocês tenham gostado desta “brincadeira” e que possam descontrair um pouco neste final de ano que foi tão agitado para todos nós!

Um Feliz Natal e um 2011 cheio de realizações para todos nós,
André Dias